Histórias para o rei – Carlos Drummond de Andrade

Furto de Flor Furtei uma flor daquele jardim. O porteiro do edifício cochilava, e eu furtei a flor. Trouxe-a para casa e coloquei-a no copo com água. Logo senti que ela não estavafeliz. O copod destina-se a beber, e flor não é para ser bebida. Passei-a para o vaso, e notei que ela me agradecia, revelando melhor sua delicada composição. Quantas novidades há numa flor, se a contemplamos bem. Sendo autor do furto, eu assumiria a obrigação de conservá-la. Renovei {Read More}

Histórias para o Rei – Carlos Drummond de Andrade

As Três Graças Um doutor em estética do corpo, ao visitar o Museu do Prado, em Madri, achou que as Três Graças, na tela de Rubens, sofriam de celulite, mais acentuada na Graça do Centro. Procurou o diretor do museu e sugeriu-lhe que o quadro fosse submetido a tratamento especial, de modo a ajustar os nus femininos aos cânones de beleza e higidez que hoje cultuamos. O diretor ouviu-o polidamentee respondeu que nada havia a fazer, pois as obras-primas do {Read More}

Deficiências – Mário Quintana

Mário Quintana foi um escritor, gaúcho, nascido em 1.906, e genial. Lembro dos meus tempos de menina quando eu colecionava poemas num caderninho. Hoje eu não tenho mais o meu caderninho. Eu guardo tudo no HD. Mas os poemas.. ah os poemas.. ainda são os mesmos.. Deficiências – Mário Quintana “Deficiente” é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outas pessoas  ou da sociedade em que vive, sem ter cosnciência de que é dono do seu {Read More}

Histórias Para o Rei – Odisséia

O amor foi à função, bebeu, cantou e bailou, estava muito excitado, tiveram de levá-lo para casa e prendê-lo no quarto para que repousasse. No dia seguinte o amor cantou e bailou sem beber, e era sempre primavera nos seus modos e falas. O amor viajou, voltou, fazia piruetas, trocadilhos, esculturas, criava línguas e ensinava-as de graça. Todos o queriam para companheiro, paravam de guerrear para abraçá-lo, jogavam-lhe moedas que ele não apanhava, gerânios que ele oferecia às crianças e {Read More}

Histórias para o Rei

A incapacidade de ser verdadeiro “Paulo tinha fama de mentiroso. Um dia chegou em casa dizendo que vira no campo dois dragões-da-independência cuspindo fogo e lendo fotonovelas. A mãe botou-o de castigo, mas na semana seguinte ele veio contando que caíra no pátio da escola um pedaço de lua, todo cheio de buraquinhos, feito queijo, e ele provou e tinha gosto de queijo. Desta vez Paulo não só ficou sem sobremesa como foi proibido de jogar futebol durante quinze dias. {Read More}

Conto de Fadas para mulheres do séulo XXI

Era uma vez, numa terra muito distante, uma linda princesa, independente e cheiade auto-estima que, enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo estava de acordo com as conformidades ecológicas, se deparou com uma rã. Então, a rã pulou para o seu colo e disse: Linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Mas, uma bruxa má lançou-me um encanto e eu transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de {Read More}

Pablo Neruda – The poet

Genial.. É como o descrevo. Prêmio Nobel da Literatura em 1971. Quero apenas cinco coisas.. Primeiro é o amor sem fim A segunda é ver o outono A terceira é o grave inverno Em quarto lugar o verão A quinta coisa são teus olhos Não quero dormir sem teus olhos. Não quero ser… sem que me olhes. Abro mão da primavera para que continues me olhando.  

Chegou o verão – Luis Fernando Veríssimo

cHEgOu o vERão (Luis Fernando Veríssimo) E com ele também chegam os pedágios, os congestionamentos na estrada, os bichos geográficos no pé e a empregada cobrando hora- extra. Verão também é sinônimo de pouca roupa e muito chifre, Pouca cintura e muita gordura, pouco trabalho…e muita micose. Verão é picolé de Ki-suco no palito reciclado, é milho cozido na água da torneira, é côco verde aberto pra comer a gosminha branca. Verão é prisão de ventre de uma semana e pé {Read More}