Miss Shizuoka Fitness

Eu realmente não esperava. O título de Miss Shizuoka Fitness foi mais que um presente… Pôde me mostrar que é só querer sim, que a gente consegue. Independente do que seja, a gente sempre pode mais do que imagina. Com um bebê de dois meses e um tanto de coragem resolvi treinar pra competir. Sabia sim das dificuldades, mas era a chance de provar que o que a maioria dizia podia sim ser diferente. Ao menos pra mim.

Quem foi que ainda não ouviu queixas de que após a gestação a vida muda? O corpo muda? A rotina muda? Confesso que nunca prestei atenção nisso até descobrir que esperava a Lana. Como professora de modalidades esportivas fui o exemplo e durante toda a gravidez mantive a disciplina alimentar e física. Não tive nenhum tipo de inchaço, dor, alteração da pessão arterial, nada. Pude usar calçados fechados e anel até o último dia. O nascimento foi tranquilo, normal e sem complicações. Até que a gente se olha no espelho… “É, as coisas mudam…”

Duas semanas depois retomei a rotina de treinos, montamos uma rotina alimentar específica para o meu caso, que envolvia amamentação, emagrecimento, adaptação. Eu realmente precisava de algo que me comprometesse cada dia mais com minha recuperação. Resolvi competir. Loucura? Pode ser. Mas acho que valeu a pena. Em quatro meses de treinamento, com um bebê de seis meses e com o incentivo diário do meu marido-técnico pudemos, juntos, contrariar o dito popular e atestar que a gente pode ser bom no que a gente faz. É só querer.

Não quero fazer críticas às mães do mundo nem apologia radical à beleza mas talvez atentar para o cuidado com a nossa saúde; a estética vem sempre como conseqûencia. Posso dizer que minha filhinha não foi culpada pela mudança no meu corpo, ao contrário, foi meu estímulo, minha força para dar um passo a mais.

Mais um dia pra guardar com carinho, pra nunca mais esquecer. Um dia pra mim, único, pra sempre. Um dia que ninguém tira, que o tempo não apaga. Uma estrangeira ganhou? Sim, foi o que eles pensaram. Sem nostalgia lembrei com carinho do “país casa” e mesmo a maioria sem entender agradeci em português: Muito obrigada!

Speak Your Mind

*