Promessa de ano novo!

Se não aproveitar esse comecinho, certeza que depois não retomarei o blog. Interessante voltar e ler o que foi escrito há alguns anos. Como a gente muda! (E a habilidade em escrever também) Por vezes dá vontade de deletar alguns posts; “aaaffff eu escrevi aquilo?” rs.. O bom da coisa é vermos a caminhada, a evolução, as montanhas que subimos e as descidas aos trancos e barrancos que tivemos.. Tudo lá, registrado do nosso jeito. Então, deixei.. Do último post pra cá, quanta água passou pela pontezinha aqui do meu quintal. Mas, se me comprometi a retomar, mesmo meio sem frequência definida, vamos começar de algum lugar. Vamos começar com a promessa. Esta está cumprida: o primeiro post depois de um tempão.. E uma foto pra celebrar..

Pra lembrar de você…

Retomar o blog? Tinha que ser uma “causa” nobre. Tinha quer você, bregera.. Hoje de manhã, na casa da vó, café fresco, leite no fogo, pão quentinho e a casa cheia… Bem como você gostava… Hoje, faltou o seu barulho, a sua risada. Mas sua presença estava lá conosco. Quem não ganhou uma bicicleta do bregera? Quem não foi acordado com lambidas, som alto ou água gelada? Por isso não vou falar de saudade, pois este sentimento é a medida {Read More}

[Leia Mais...]

Ostra feliz não faz peróla – Por Rubem Alves

Rubem Alves é um dos maiores pensadores brasileiros na minha opinião. (E na de muita gente também) Escreveu um artigo fantástico: “Sobre moluscos e homens”, que me foi apresentado pela primeira vez quando estava na faculdade, há anos atrás, por uma professora que costumava trazer textos e artigos que encontrava – na tentativa de colocar algo nos nossos miolos jovens ainda carentes de muitas coisas.. rs.. Na biblioteca, esses dias, por acaso encontrei um de seus títulos: “Ostra feliz não {Read More}

[Leia Mais...]

Refazendo o Palavra Borboleta

De cara nova! Depois de quase um ano e meio sem postagens, o Palavra Borboleta está novinho em folha. Trabalho bacana da Maysa Luz, que repaginou o blog e colocou nele as pitadas certas dos meus sabores favoritos pra dar ao site essa carinha que agora vocês vêem. Muita coisa aconteceu nesse meio tempo entre trabalho, viagens, família… Não dá pra postar sobre tudo, mas certamente colocarei aqui o que me foi mais marcante. Até o próximo post e um {Read More}

[Leia Mais...]

Histórias para o rei – Carlos Drummond de Andrade

Furto de Flor Furtei uma flor daquele jardim. O porteiro do edifício cochilava, e eu furtei a flor. Trouxe-a para casa e coloquei-a no copo com água. Logo senti que ela não estavafeliz. O copod destina-se a beber, e flor não é para ser bebida. Passei-a para o vaso, e notei que ela me agradecia, revelando melhor sua delicada composição. Quantas novidades há numa flor, se a contemplamos bem. Sendo autor do furto, eu assumiria a obrigação de conservá-la. Renovei {Read More}

[Leia Mais...]

O rumo deste século:

Quino, o cartunista argentino criador da personagem Mafalda, desapontado com o rumo deste século registrou brilhantemente a nossa sociedade.. rs.. Eu, particularmente, adoro os quadrinhos da Mafalda. Fiz a coleção toda dela..  

[Leia Mais...]

Histórias para o Rei – Carlos Drummond de Andrade

As Três Graças Um doutor em estética do corpo, ao visitar o Museu do Prado, em Madri, achou que as Três Graças, na tela de Rubens, sofriam de celulite, mais acentuada na Graça do Centro. Procurou o diretor do museu e sugeriu-lhe que o quadro fosse submetido a tratamento especial, de modo a ajustar os nus femininos aos cânones de beleza e higidez que hoje cultuamos. O diretor ouviu-o polidamentee respondeu que nada havia a fazer, pois as obras-primas do {Read More}

[Leia Mais...]

Deficiências – Mário Quintana

Mário Quintana foi um escritor, gaúcho, nascido em 1.906, e genial. Lembro dos meus tempos de menina quando eu colecionava poemas num caderninho. Hoje eu não tenho mais o meu caderninho. Eu guardo tudo no HD. Mas os poemas.. ah os poemas.. ainda são os mesmos.. Deficiências – Mário Quintana “Deficiente” é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outas pessoas  ou da sociedade em que vive, sem ter cosnciência de que é dono do seu {Read More}

[Leia Mais...]